EUA/OTAN vs Rússia-China em guerra híbrida até o final

Por Pepe Escobar

Foto por Mohannad Marashdeh em Pexels.com

Vamos começar com alívio cômico: O “líder do mundo livre” se comprometeu a evitar que a China se tornasse a nação “líder” do planeta. E para cumprir uma missão tão excepcional, sua “expectativa” é se candidatar novamente à presidência em 2024. Não como um holograma. E com a mesma companheira de chapa.

Agora que o “mundo livre” deu um suspiro aliviado, vamos voltar aos assuntos sérios – como nos contornos da chocada e apavorada geopolítica do século 21.

O que aconteceu nos últimos dias entre Anchorage e Guilin continua a reverberar. Como o Ministro das Relações Exteriores russo Sergey Lavrov salientou que Bruxelas havia “destruído” a relação entre a Rússia e a UE, ele se concentrou em como a parceria estratégica abrangente Rússia-China está ficando cada vez mais forte.

A sincronicidade não tão casuística revelou que, enquanto Lavrov estava sendo devidamente recebido pelo Ministro das Relações Exteriores chinês Wang Yi em Guilin – incluindo o almoço cênico no rio Li – o Secretário de Estado dos EUA Tony Blinken estava visitando a sede da OTAN em James-Bondish, fora de Bruxelas.

Lavrov deixou bem claro que o núcleo de Rússia e China gira em torno do estabelecimento de um eixo econômico e financeiro para contrabalançar o acordo de Bretton Woods. Isso implica em fazer tudo para proteger Moscou e Pequim de “ameaças de sanções por parte de outros Estados”, bem como incentivar a progressiva desdolarização e avanços em criptomoedas. Esta “tripla ameaça” é o que está desencadeando a fúria sem limites do Hegêmona.

Em um espectro mais amplo, a estratégia Rússia-China também implica que a interação progressiva entre a Iniciativa Cinturão e Rota (ICR) e a União Econômica da Eurásia (EAEU) continuará rapidamente através da Ásia Central, Sudeste Asiático, partes do Sul da Ásia e Sudoeste Asiático – passos necessários para um mercado eurasiático finalmente unificado sob uma espécie de gestão estratégica Sino-Russa.

No Alasca, a equipe Blinken-Sullivan aprendeu, às próprias custas, que não se mete impunemente com um Yoda como Yang Jiechi. Agora estão prestes a aprender o que significa mexer com Nikolai Patrushev, chefe do Conselho de Segurança russo.

Patrushev, tão Yoda como Yang Jiechi, um mestre da subdeclaração, transmitiu uma mensagem não tão cifrada: Se Washington, como planeja fazer, criar “dias difíceis” para a Rússia, os EUA “seriam responsáveis” pelos “passos” russos em resposta.

O que a OTAN está aprontando

Enquanto isso, em Bruxelas, Blinken estava encenando uma rotina de Casal Perfeito com a espetacularmente ineficiente chefe da Comissão Européia (CE), Ursula von der Leyen. O roteiro foi algo parecido com isto. “O Nord Stream 2 é realmente ruim para você. Um acordo de investimento comercial com a China é muito ruim para você. Agora sente-se. Boa garota”.

Depois veio a OTAN, que deu um espetáculo e tanto, acompanhada de uma pose de durão com todos os ministros exteriores em frente ao quartel general. Isso foi parte de uma cúpula – que previsivelmente não celebrou o 10º aniversário da destruição da Líbia pela OTAN ou do grande pé-na-bunda que a OTAN sofreu no Afeganistão.

Em junho de 2020, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg – na verdade, seus manipuladores militares norte-americanos – apresentou o que agora é conhecido como a estratégia OTAN 2030, que se resume a um mandato político-militar do Robocop Global. O Sul Global (não) foi advertido.  

No Afeganistão, de acordo com um Stoltenberg impermeável à ironia, a OTAN apóia a infusão de uma “nova energia no processo de paz”. Na cúpula, os ministros da OTAN também discutiram o Oriente Médio e o Norte da África e – com uma cara séria – analisaram “o que mais a OTAN poderia fazer para construir a estabilidade na região”.

Sírios, iraquianos, libaneses, líbios e malineses adorariam aprender algo sobre isso.

Após a cúpula, Stoltenberg deu a coletiva de imprensa sonolenta do regulamento, onde o foco principal era – o que mais? – A Rússia e seu “padrão de comportamento repressivo em casa, comportamento agressivo no exterior”.

Toda a retórica sobre a “construção da estabilidade” da OTAN desaparece quando se examina o que está realmente por trás do OTAN 2030, através de um relatório de “recomendação” carnudo escrito por um bando de “experts”.

Aqui aprendemos três coisas essenciais:

1. “A aliança deve responder às ameaças e ações hostis da Rússia … sem um retorno aos “negócios como de costume”, a menos que haja alterações no comportamento agressivo da Rússia e seu retorno ao pleno cumprimento do direito internacional”.

2. A China é retratada como um tsunami de “desafios de segurança”: “A aliança deve infundir o desafio da China em todas as estruturas existentes e considerar o estabelecimento de um órgão consultivo para discutir todos os aspectos dos interesses de segurança dos aliados vis-à-vis à China”. A ênfase é “se defender contra qualquer atividade chinesa que possa ter impacto na defesa coletiva, prontidão militar ou resiliência na área de responsabilidade do Comando Supremo Aliado da Europa (SACEUR)”.

3. “A Otan deveria esboçar um plano global [itálico meu] para melhor utilizar suas parcerias a fim de promover os interesses estratégicos da OTAN”. Deveria mudar da atual abordagem orientada pela demanda para uma abordagem orientada pelos interesses [itálico meu] e considerar o fornecimento de fluxos de recursos mais estáveis e previsíveis para atividades de parceria. A política de portas abertas da OTAN deve ser mantida e revigorada. A OTAN deve expandir e fortalecer as parcerias com a Ucrânia e a Geórgia”.  

Um brinde à Ameaça Tríplice. No entanto, o ponto alto – como nos gordos e suculentos contratos do complexo industrial-militar – está realmente aqui:

O mais profundo desafio geopolítico é colocado pela Rússia. Embora a Rússia seja, por medidas econômicas e sociais, uma potência em declínio, ela provou ser capaz de agressão territorial e provavelmente continuará sendo a principal ameaça enfrentada pela OTAN durante a próxima década.  

A OTAN pode estar atuando, mas o roteiro principal vem diretamente do deep state – completado com a Rússia “buscando hegemonia”; expandindo a guerra híbrida (o conceito foi na verdade inventado pelo deep state); e manipulando “assassinatos cibernéticos, sancionados pelo estado e envenenamentos – usando armas químicas, coerção política e outros métodos para violar a soberania dos aliados”.

Pequim, por sua vez, está usando a “força contra seus vizinhos, bem como coerção econômica e diplomacia intimidatória muito além da região Indo-Pacífico. Durante a próxima década, a China provavelmente também desafiará a capacidade da OTAN de construir uma resiliência coletiva”.

O Sul Global deve estar bem ciente da promessa da OTAN de salvar o “mundo livre” desses males autocráticos.

A interpretação da Otan do “Sul” abrange o Norte da África e o Oriente Médio, de fato em todos os lugares, desde a África Subsaariana até o Afeganistão. Qualquer semelhança com o supostamente defunto conceito do “Grande Oriente Médio” da era Dubya não é um acidente.

A OTAN insiste que esta vasta extensão é caracterizada por “fragilidade, instabilidade e insegurança”. É claro que ela se recusa a reconhecer seu próprio papel de perpetrador de instabilidade em série na Líbia, Iraque, partes da Síria e Afeganistão. Porque, em última análise, a culpa é principalmente da Rússia:

Para o Sul, o desafio inclui a presença da Rússia e, em menor escala, da China, explorando as fragilidades regionais. A Rússia se restabeleceu no Oriente Médio e no Mediterrâneo Oriental. Em 2015, interveio na Guerra Civil síria e lá permanece.

A política russa do Oriente Médio provavelmente exacerbará tensões e conflitos políticos em toda a região, pois estende uma quantidade crescente de ativos políticos, financeiros, operacionais e logísticos a seus parceiros.

Quanto à China, sua “influência em todo o Oriente Médio também está crescendo. Ela assinou uma parceria estratégica com o Irã, é a maior importadora de petróleo bruto do Iraque, está inserida no processo de paz do Afeganistão e é a maior investidora estrangeira na região”.

Aqui, em poucas palavras, e não exatamente em código, está o roteiro da OTAN até 2030 para assediar e tentar desmantelar todos os recantos relevantes da integração da Eurásia, especialmente aqueles diretamente ligados aos projetos de conectividade de infra-estrutura das Novas Rotas da Seda (investimento no Irã, reconstrução da Síria, reconstrução do Iraque, reconstrução do Afeganistão).

O movimento está em uma “abordagem de 360 graus de segurança” que “se tornará um imperativo”. Traduzindo: A OTAN está chegando, pra valer, às grandes faixas do Sul Global sob o pretexto de “enfrentar tanto as ameaças tradicionais provenientes desta região, como o terrorismo, quanto os novos riscos, incluindo a crescente presença da Rússia e, em menor grau, da China”.

Guerra híbrida em duas frentes

E pensar que em um passado não tão distante costumava haver alguns flashes de lucidez que emanavam do establishment norte-americano.

Muito poucos se lembrarão que em 1993 James Baker, ex-secretário de Estado sob o governo de papai Bush, avançou a idéia de expandir a OTAN para a Rússia, que na época, sob o governo de Ieltsin e Milton Friedman, foi devastada, mas governada pela “democracia”. No entanto, Bill Clinton já estava no poder e a idéia foi devidamente descartada.  

Seis anos depois, nada menos que George Kennan – que inventou a contenção da URSS em primeiro lugar – constatou que a anexação dos antigos satélites soviéticos pela OTAN foi “o início de uma nova Guerra Fria” e “um erro trágico”.

É imensamente esclarecedor reviver e reestudar toda a década entre a queda da URSS e a eleição de Putin para a presidência através do venerável livro de Yevgeny Primakov Russian Crossroads: Toward the New Millenium (Encruzilhadas Russas – Rumo ao Novo Milênio, trad. livre), publicado nos EUA pela Yale University Press.

Primakov, o derradeiro informante que começou como correspondente do Pravda no Oriente Médio, tornou-se ministro das relações exteriores e também primeiro-ministro, olhou atentamente para a alma de Putin, repetidamente, e gostou do que viu: um homem íntegro e um profissional dedicado. Primakov era um multilateralista à frente do pelotão, o instigador conceitual do RIC (Rússia-Índia-China) que, na década seguinte, evoluiu para BRICS.

Esses foram os dias – exatamente 22 anos atrás – quando Primakov estava em um avião para Washington quando recebeu uma ligação do então presidente Al Gore: os EUA estavam prestes a começar a bombardear a Iugoslávia, um aliado russo eslavo-ortodoxo e não havia nada que a antiga superpotência pudesse fazer a respeito. Primakov ordenou ao piloto que desse meia-volta e voltasse a Moscou.  

Agora a Rússia é poderosa o suficiente para avançar seu próprio conceito de Grande Eurásia, o qual deve equilibrar e complementar as Novas Estradas da Seda da China. É o poder desta dupla hélice – que inevitavelmente atrai setores-chave da Europa Ocidental – que está deixando a classe dominante do hegêmona atordoada e confusa.  

Glenn Diesen, autor de Russian Conservatism: Managing Change Under Permanent Revolution (Conservadorismo russo: Gerenciando a Mudança sob Revolução Permanente, trad. livre), que eu analisei em “Por que a Rússia está levando o Ocidente à loucura“, é um dos melhores analistas globais da integração da Eurásia. Ele resumiu tudo isso: “Os EUA tiveram grandes dificuldades em termos de converter a dependência de segurança dos aliados em lealdade geoeconômica, como é evidente pelos europeus que ainda compram tecnologias chinesas e energia russa”.

Daí o permanente dividir e governar, apresentando um de seus principais objetivos: persuadir, forçar, subornar e tudo isso para o Parlamento Europeu escamotear o negócio de comércio/investimento entre China e UE.

Wang Yiwei, diretor do Centro de Estudos Europeus da Universidade de Renmin e autor do melhor livro feito na China sobre as Novas Rotas da Seda, vê claramente através da arrogância do “A América está de volta”: “A China não está isolada pelos Estados Unidos, o Ocidente ou mesmo toda a comunidade internacional”. Quanto mais hostilidade eles mostram, mais ansiedade eles têm. Quando os EUA viajam ao redor do globo para pedir freqüentemente apoio, unidade e ajuda de seus aliados, isto significa que a hegemonia dos EUA está enfraquecendo”.

Wang prevê até mesmo o que pode acontecer se o atual “líder do mundo livre” for impedido de cumprir sua excepcional missão: “Não se deixe enganar pelas sanções entre a China e a UE, que são inofensivas ao comércio e aos laços econômicos, e os líderes da UE não serão tão estúpidos a ponto de abandonar totalmente o Acordo Global de Investimento China-UE, pois sabem que nunca conseguiriam um acordo tão bom quando Trump ou o trumpismo voltar à Casa Branca”.

A chocada e apavorada geopolítica do século 21, conforme configurada nestas duas últimas semanas cruciais, enuncia que o momento unipolar tem dois metros de profundidade. O hegêmona nunca o admitirá; daí o contra golpe da OTAN, pré-concebido.

Em última instância, o hegêmona decidiu não se engajar em acomodações diplomáticas, mas travar uma guerra híbrida em duas frentes contra uma parceria estratégica implacavelmente demonizada de competidores equivalentes. E como sinal destes tempos lamentáveis, não há James Baker ou George Kennan para aconselhar contra tal tolice.

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em  Asia Times

Traduzido por Dossier Sul

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s