Rejeitando a Coroa Imperial – Antiwar.com

Daniel Larison

6 de junho de 2021

John Quincy Adams fez seu discurso em comemoração [https://www.libertarianism.org/essays/address-delivered-request-committee-arrangements-celebrating-anniversary-independence)] à independência americana há duzentos anos, nesta semana, e nesse discurso ele disse a seus compatriotas que seu país não vai para o exterior “em busca de monstros para destruir”. Essa foi apenas uma parte de seu hino à independência americana, que ainda não tinha meio século, mas é a parte mais citada porque estabelece uma regra clara de como a América deve se conduzir no mundo. É também a parte que as gerações posteriores de líderes americanos optaram por desconsiderar inteiramente em nosso detrimento e do resto do mundo.

Nos dois séculos desde que Adams alertou contra o alistamento nas causas de outras nações, os EUA têm se envolvido cada vez mais nas “guerras de interesse e intriga, de avareza individual, inveja e ambição, que assumem as cores e usurpam o padrão de liberdade.” Porque nosso governo presume “liderar” o mundo, ele tem como certo que tem o direito de interferir em qualquer lugar e intervir com força sempre que desejar. Hoje nosso governo usa o “diadema imperial, brilhando com um brilho falso e manchado o esplendor de domínio e poder”, assim como Adams temia que ocorresse se ignorasse os princípios que defendia. A questão para os americanos hoje é se queremos nos livrar desse diadema imperial e reivindicar alguma medida de autogoverno, encerrando nosso envolvimento em nossas muitas guerras e complicações no exterior.

As palavras de Adams ainda ressoam duzentos anos depois porque ele vinculou sua visão do papel da América no mundo aos princípios da independência e liberdade americanas, e ele explicou como esses princípios seriam corrompidos se a América tentasse se enredar nos conflitos do mundo. Agora, há tentativas intervencionistas desesperadas [https://www.bloomberg.com/opinion/articles/2020-02-08/john-quincy-adams-isn-t-who-you-think-he-is?srnd=opinion] de negar que Adams quis dizer o que disse. Os intervencionistas havianos chegam a apresentar argumentos ridículos de que Adams foi um dos primeiros defensores da primazia americana, uma espécie de neoconservador avant la lettre. Não é surpreendente que eles se sintam ameaçados pelo renascimento do interesse nas opiniões de Adams, porque isso significa que há um interesse renovado em manter a América fora de guerras desnecessárias. Se o papel da América não é ir para o exterior em busca de monstros para destruir, então a política externa que os intervencionistas apoiam é uma perversão de quem os americanos deveriam ser como nação.

Um dos muitos efeitos corruptores de ir ao exterior para destruir monstros é que isso leva a difamar e desumanizar outras nações e vê-las como se fossem súditos coloniais. Quando os EUA se colocam contra algum estado autoritário, isso freqüentemente significa que os EUA também infligem punições coletivas às pessoas que vivem sob esse governo. Os defensores dessas campanhas de punição coletiva têm até a coragem de afirmar que estão do lado das pessoas que estrangulam e matam com sanções. Vimos isso com as sanções ao Iraque na década de 1990 e o vemos novamente hoje com campanhas de “pressão máxima” contra o Irã, Venezuela, Síria e Coréia do Norte. Nossos líderes políticos e formuladores de políticas racionalizam essas políticas extraordinariamente cruéis e monstruosas, alegando que elas são direcionadas apenas ao governo e não ao povo, mas inevitavelmente essas políticas causam grande dano a todos no país-alvo porque são indiscriminadas.

Tratar certos estados estrangeiros como monstros a serem mortos tem outra conseqüência terrível, a saber, alinhar os EUA com estados igualmente ou mais monstruosos porque eles são rivais do governo ao qual Washington se opõe. Os Estados Unidos apoiaram e armaram muitos governos brutais em todo o mundo nos últimos oitenta anos, e essas relações são sempre racionalizadas conforme necessário para servir a algum projeto estratégico maior. Na prática, quase nenhuma dessas relações era necessária, e sempre implicou os Estados Unidos em graves abusos e crimes. Quando a Guerra Fria acabou, novas desculpas foram encontradas para manter a maior parte desses relacionamentos, e então a “guerra ao terror” forneceu outro conjunto de desculpas. Amanhã provavelmente será a rivalidade com a China que servirá como justificativa abrangente para sustentar este ou aquele ditador. Em vez de destruir monstros, os EUA acabam capacitando e fortalecendo muitos deles.

Quando os Estados Unidos se autodenominam um cavaleiro matador de monstros, eles se dão licença para dobrar e quebrar as leis que insistem que outros sigam. A guerra ilegal e agressiva é convenientemente redefinida como “autodefesa antecipada” no Iraque porque o governo que está sendo alvo da destruição é brutal. Espera-se que outros estados respeitem a soberania e integridade territorial de outros, mas os EUA podem atropelar a soberania de outros estados sem nem mesmo apresentar uma desculpa. Os EUA agem como se fossem soberanos mundiais com autoridade para criar exceções para si próprios e se reservam o direito de punir os demais. A “ordem baseada em regras” na prática significa que os Estados Unidos fazem as regras e dão as ordens, e todos os outros devem entrar na linha ou sofrer as consequências. Isso é o que a América se tornou quando saiu pelo mundo para destruir monstros.

Adams advertiu que as “máximas fundamentais” da política americana “mudariam insensivelmente da liberdade para a força” se os EUA participassem dos conflitos de outras nações. No século passado, não há dúvida de que foi isso que aconteceu. Nossa política externa tornou-se totalmente militarizada e nosso governo está engajado em hostilidades em alguma parte do mundo quase o tempo todo. Isso prendeu nosso país em uma prisão que nós mesmos construímos, de modo que mal podemos imaginar como seria uma política externa normal, muito mais pacífica do que a que tivemos nas últimas quatro gerações. Precisamos recuperar o espírito de independência que Adams exaltou e nos livrar das algemas do império que criamos para nós mesmos. Não temos nada a perder, exceto nossas complicações.

Daniel Larison é editor colaborador e colunista semanal do Antiwar.com e mantém seu próprio site na Eunomia [https://daniellarison.substack.com/]. Ele é ex-editor sênior do The American Conservative. Ele foi publicado no New York Times Book Review, Dallas Morning News, World Politics Review, Politico Magazine, Orthodox Life, Front Porch Republic, The American Scene e Culture11, e foi colunista da The Week. Ele possui um PhD em história pela Universidade de Chicago e reside em Lancaster, PA. Siga-o no Twitter [https://twitter.com/DanielLarison?s=09].

Casting Off the Imperial Diadem

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s