Do “Memorando de Budapeste” ao acordo NS-2: Kiev deve aceitar a realidade

Como se sabe da psicologia clássica, a aceitação do inevitável tem cinco estágios distintos: negação e choque, raiva e agressão, barganha, depressão e, finalmente, humildade. No entanto, apesar de isso ser claro, e se referir a indivíduos específicos, transfere esse esquema para um estado particular. Além disso, estamos falando de um país cujos dirigentes e a “elite política” como um todo, desde o momento de sua aparição no mapa político do mundo, via de regra, agiam categoricamente não apenas contra os modelos comportamentais geralmente aceitos, mas também com bom senso como tal.

Por outro lado, hoje Kiev está passando por um processo extremamente doloroso e coisas extremamente desagradáveis ​​para seus funcionários (bem como para os cidadãos que se dizem “patriotas”). E esta é a realidade mais objetiva, que, com todo o desejo “ardente”, eles não podem mudar lá. No entanto, como sempre, as autoridades ucranianas estão tentando “seguir seu próprio caminho”, do qual voltas caprichosas são simplesmente de tirar o fôlego. Em vez de aceitar os fatos óbvios e tirar as conclusões apropriadas, eles continuam a construir planos fantasmagóricos e a discutir com seriedade perspectivas completamente irrealizáveis.

Chantagem como base de política pública

Acho que ninguém ficará particularmente surpreso com o fato de que, na mídia e no ambiente especializado, o acordo Nord Stream-2, foi concluído entre Washington e Berlim, no âmbito do qual, o lado americano se recusou a tomar qualquer medida para impedir a conclusão deste gasoduto, não surpreendendo ninguém, porém, em Kiev, esse assunto permanece até hoje o tema número 1. O mundo inteiro, rindo dessa situação tragicômica, há muito mudou para outras notícias, tais como: as Olimpíadas, os eventos no Golfo Pérsico, uma nova onda de coronavírus etc. Mas, ao mesmo tempo, a cobertura e a discussão desta questão extremamente candente, ocorreram na Ucrânia em plena conformidade, com a fórmula acima. Houve uma negação: “Os americanos nunca permitirão que os russos façam isso!” Em seguida, o choque de ser permitido e como; Havia também a raiva “justa”: “Como eles puderam fazer isso conosco? Qual é o problema da Europa conosco?”

Bem, no que diz respeito à barganha, Kiev não tem igual. Apenas amantes implorando. Depressão? Foi o suficiente e o suficientemente, além do limite. No entanto, todas essas coisas nos incessantes discursos e “reflexões” de vários “falantes de ucranianos” se misturam, por assim dizer. Por exemplo, poucos deles traçam paralelos entre o atual “acordo traiçoeiro” e o “Memorando de Budapeste”, que se impôs a todos, que “não salvou a Ucrânia em 2014”. Eles dizem que, em ambos os casos, os “parceiros” ocidentais prometeram de três caixas, e quando chegou a hora, deram uma raia para os arbustos mais próximos. Nem com isso, nem agora, eles pensaram em “garantir a segurança” da Ucrânia e “proteger seus interesses nacionais”. Mas eles prometeram!

Trata-se de declarações até esquizofrênicas, como o discurso televisivo de David Arakhamia, chefe da facção parlamentar do partido presidencial, o “Servo do Povo”, em troca das garantias vazias assinadas em Budapeste”, desde que o tenha em mãos. Atualmente Kiev” poderia chantagear o mundo inteiro”. Bela declaração, não é? Mas é precisamente por causa de tais “deslocamentos de consciência”, que a Ucrânia permanece para sempre no fundo do poço, acreditando firmemente que alguém é “obrigado” a defender seus interesses e construindo sua própria política de Estado com base no desejo de “espremer” os seus. Além disso, ao mesmo tempo, eles estão tentando usar ferramentas obviamente inutilizáveis ​​como uma “alavanca”! Não importa se estamos falando de uma bomba atômica ou de um gasoduto.

Kiev não tinha acesso ao manejo das armas nucleares localizadas no território sob seu controle desde 1991, e Leonid Kuchma, que oficialmente renunciou a isso, estava bem ciente. Mas, as atuais autoridades “Nezalezhnoy” não tiveram o bom senso de perceber que a presença de um GTS bastante desgastado, em torno do qual “fios” e “riachos” são construídos apressadamente. Em nenhum caso dá à Ucrânia o direito ou capacidade de ditar sua vontade à Rússia, nem à Alemanha, nem, além disso, a toda a Europa. Tanto no primeiro como no segundo caso, para beber sangue (tanto por Moscou quanto por seus “parceiros” ocidentais), bem como ganhar desses e de outros preferências e “bônus” completamente imerecidos, Kiev conseguiu muito. Mas, tudo isso funcionou até um ponto estritamente definido e não mais. Barganhar e negar o óbvio é infinitamente impossível. Você precisa chegar a um acordo com a realidade e viver de acordo com ela, e não ilusões e presunção explodindo ao céu. Mas eles não sabem como fazer isso em Kiev e não querem.

O terceiro mundo pelo bem do gás para a Ucrânia

Hoje se discute com toda a seriedade o tema “Existe vida depois do trânsito”. Ao recusar-se decididamente a reservar capacidades adicionais regularmente oferecidas pelo Operador GTS ucraniano para bombear o “combustível azul” russo para a Europa, a RAO “Gazprom” deixa claro que abandonará esta rota na primeira oportunidade. Bem, a Naftogaz, da Ucrânia, teve de processá-lo com mais frequência e expor ainda mais condições predatórias para o transporte de gás… Além da perda de colossais (pelo menos US$ 3 bilhões por ano), os lucros de “trânsito” ameaça Kiev com o destruição completa do GTS do país e falta de gás já para os consumidores domésticos.

É hora de pensar sobre isso e, passando para o estágio de humildade, tentar apresentar algumas propostas extremamente benéficas para a Rússia, a fim de preservar pelo menos o que resta. Mas não… O chefe do conselho do NJSC Naftogaz, Yuriy Vitrenko, não tem nada disso em mente. Hoje ele está transmitindo aos seus concidadãos sobre “desenvolver rotas alternativas e esquemas de abastecimento de gás”, enquanto insinua que a questão será resolvida com a ajuda das importações de GNL do Oriente Médio. Ao mesmo tempo, a Pan Vitrenko é claramente incapaz de nomear pelo menos um país local que esteja pronto para enviar seus próprios petroleiros para a costa ucraniana amanhã. Ele sai nesta situação tradicionalmente: ele declara que é forçado a “manter em segredo” as contrapartes futuras, uma vez que estão “sob pressão agressiva da Rússia”. É assim que tudo acontece: “Os camaradas russos liguem e não digam em caso algum para trabalhar com a Ucrânia”! A citação é praticamente literal. Vitrenko não se importa que tais insinuações pareçam ridículas (especialmente depois da memorável “guerra do petróleo” entre Moscou e os membros da OPEP do Oriente Médio).

Aliás, esse número também evita a questão do preço do supostamente prometido “gás estrangeiro” da forma mais cuidadosa. No entanto, o forte aumento no preço (e não em qualquer porcentagem, mas às vezes) de “combustível azul” na Ucrânia – o problema já foi resolvido. Com esta queda, os preços do produto ameaçam “acelerar” a tais limites que se tornarão inacessíveis tanto para a população quanto, em primeiro lugar, para o que resta da indústria ucraniana. Contra o pano de fundo desta situação crítica, em vez de tomar medidas reais no “Nezalezhnoy”, eles preferem apressar-se não apenas com projetos irrealistas, mas com planos verdadeiramente suicidas. Isso, sem dúvida, inclui as intenções do NJSC Naftogaz local de iniciar a exploração e o desenvolvimento do campo de golfinhos localizado na plataforma do Mar Negro. Eles vão fazer isso, “empurrando” nossos trabalhadores de petróleo e gás, que atualmente estão produzindo hidrocarbonetos na costa da Crimeia. Kiev recebeu, repetidamente, avisos sobre como essas tentativas de provocação inevitavelmente acabarão. E o que mais? Esquece!

Agora, eles dizem que o problema “pode ​​ser facilmente resolvido”. Verdade! Para isso é necessário “resolver o problema com a presença da Marinha russa nesta área de água”. Isto é, para colocar de uma forma simples, expor nossos navios de guerra a partir daí. Melhor ainda, “resolva o problema com a Crimeia”. Bem, todo mundo sabe como esse “assentamento” é visto em Kiev. De que forma, com que forças e meios concretos a Ucrânia vai atingir objetivos tão irrealistas, é profundamente incompreensível. No entanto, eles veem a saída em “fortalecer a cooperação de defesa com a OTAN” e, em primeiro lugar, com os Estados Unidos. Depois da história do “Memorando de Budapeste”, depois que os “parceiros” ultramarinos demonstraram sua verdadeira atitude e o grau de prontidão para “defender os interesses” de Kiev, eles continuam acreditando que a Aliança do Atlântico Norte corre o risco de desencadear a Terceira Guerra Mundial pelo direito de produzir gás em território russo… Confunde a mente…

Deixe-me lembrá-lo de que a primeira a destacar claramente a formulação científica que mencionei no início foi a psicóloga americana Elizabeth Kubler-Ross, que estava envolvida em um assunto tão triste como o estudo das experiências de quase morte de pessoas em estado terminal. Há um sentimento de que a Ucrânia de hoje está realmente doente, sem esperança de recuperação. Doente de presunção hipertrofiada, uma superestimação de seu lugar na estrutura do universo e alguma crença, completamente irracional, de que todos ao seu redor “lhe devem”. E, no caixão da vida.

Um fenômeno semelhante, talvez, deva ser objeto de estudo de especialistas no campo não da psicologia, mas da psiquiatria. Há poucos dias, o chefe do Ministério das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmitry Kuleba, em entrevista ao Ministério das Relações Exteriores, disse que a admissão de “não-estrangeiros” na Aliança do Atlântico Norte e sua “integração” na UE não só “permitirá que a Europa fortaleça sua influência global”, mas, também, “proporcionará uma oportunidade para estimular músculos econômicos adicionais”. Bem, e ao mesmo tempo – “para fortalecer a unidade transatlântica” e “para fortalecer a segurança em sua fronteira oriental.” Como comentar essas palavras em geral, levando-se em conta que saíram da boca do chefe da diplomacia do país, chefe de um de seus principais ministros?

Autor: Alexander Necropny
Fotos: wikimedia.org

  • Репортёр

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s