Cerca farpada da UE

© AFP 2021 / PETRAS MALUKAS

A Lituânia culpa a Bielorrússia pelo fluxo de migrantes. A União Europeia enviou forças adicionais para a fronteira com a Lituânia e as autoridades lituanas ergueram uma cerca de arame farpado. A Polônia também está preocupada com a situação na sua fronteira.

Refugiados tropeçando: o que acontece na fronteira entre a Lituânia e a Belarus?

Os migrantes ilegais continuam a chegar à Lituânia e as autoridades do país têm assumido uma “postura dura” em relação aos refugiados, o que é admitido até pelos meios de comunicação europeus. Por que a comunidade internacional está criticando Vilnius?

Há pânico na outrora tranquila e calma Lituânia: o país enfrenta um afluxo de imigrantes ilegais da Bielo-Rússia. Tudo começou no país no verão. O Ministério de Assuntos Internos da Lituânia contabilizou 4.112 migrantes ilegais que cruzaram a fronteira entre a Bielo-Rússia e a Lituânia desde o início do ano até 6 de agosto, incluindo 2.366 pessoas apenas em julho. São principalmente pessoas do Oriente Médio e da África.

Na noite de 8 de agosto de 2021, um tiroteio foi disparado na fronteira da Lituânia e Belarus. No mesmo dia, o Serviço Estatal de Guarda de Fronteiras do Ministério de Assuntos Internos da Lituânia informou que, dessa forma, expulsou 80 migrantes de seu território para a Belarus. Para efeito de comparação: durante todo o ano de 2020, os guardas de fronteira detiveram apenas 81 imigrantes ilegais.

As autoridades lituanas declararam uma situação de emergência, que ainda não conseguiram resolver. O centro para migrantes na cidade de Pabrade está superlotado, os acampamentos de barracas equipados às pressas também estão superlotados e uma cerca está sendo construída. Como a comunidade internacional está respondendo à crise de migração da Lituânia – leia a análise de Danara Kurmanova e Alexei Stefanov para o Sputnik.

“Eles estão nos estrangulando, e nós vamos protegê-los?”

Vilnius acusa Minsk desta situação, salientando que a situação com os imigrantes ilegais começou a piorar após o discurso do Presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, no final de maio. “Nós paramos com as drogas e os migrantes – agora você vai comer e pegá-los você mesmo”, disse ele depois que os países europeus recomendaram às suas companhias aéreas que não sobrevoassem o território da Bielo-Rússia.

Como o líder bielorrusso explicou mais tarde, Minsk controla a questão da migração ilegal “apenas tanto quanto necessário, lucrativo e financeiramente possível”. Os interesses da Lituânia, que apóia sanções contra a economia da Bielorrússia, enquanto a república vai levar em conta na última vez.

“Eles impuseram sanções contra nós e somos acusados ​​de facilitar a migração ilegal.

Jogos da Democracia

Minsk expressa abertamente dúvidas sobre a conformidade da política de refugiados da Lituânia com os princípios proclamados pela União Europeia. Em 19 de julho, o Comitê Estadual de Fronteiras da Bielo-Rússia informou que durante o dia encontrou 26 cidadãos iraquianos que cruzaram a fronteira com a Lituânia: entre eles estavam duas crianças e uma mulher grávida que precisou chamar uma ambulância.

Conforme declarado no comitê, refugiados na Lituânia foram convocados para interrogatórios, durante os quais não receberam água. Além disso, os próprios migrantes acusaram os oficiais do Serviço de Guarda de Fronteiras do Estado do Ministério de Assuntos Internos da Lituânia de espancamento e mostraram “escoriações e hematomas em várias partes do corpo”. Os refugiados alegaram que foram enviados para o território da Bielorrússia sob ameaça de armas.

Alexander Lukashenko comparou este incidente com o modelo de comportamento dos fascistas, que no ano da ocupação enviaram civis para atacar à sua frente. “Foi exatamente assim que 26 pessoas foram levadas para o outro lado da fronteira”, disse ele, acrescentando que o motivo da invasão de migrantes para a Europa foi a ação militar em várias regiões do leste.

“Eles destruíram Muammar Gaddafi, Saddam Hussein. A guerra ainda continua na Líbia e na Síria. Eles destruíram o Iraque, o país mais rico. Estriparam o Afeganistão. Para quê? A democracia foi colocada sob as asas dos combatentes? Sem democracia. E as pessoas estão fugindo a guerra, salvando seus filhos. para conseguir um pedaço de pão em algum lugar e alimentá-los. Você os convidou para lá, por que vocês, como os nazistas, estão agora os empurrando para fora de lá? ” – ele declarou.

Segurança de migrantes em risco

Entretanto, o Ministério do Interior da Lituânia afirma que os funcionários do serviço de fronteira lituano têm o direito de usar a força contra os imigrantes ilegais. A agência Baltnews refere-se ao ministro do Interior, Agne Bilotaite, segundo o qual o uso da “força física e psicológica” pode garantir a “obediência” dos imigrantes ilegais e ajudar a prevenir as violações por parte dos migrantes.

A revolta de refugiados na aldeia de Rudninkai, quando a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar a multidão, indignada com as péssimas condições de detenção no campo temporário, é provavelmente chamada de violação e desobediência das autoridades lituanas. O escândalo foi coberto pelo canal de TV Euronews.

“Os ilegais dizem que era melhor na sua terra natal, recusam-se a comer a comida que lhes dão e a beber água de uma cor estranha …

O que ameaça os migrantes após esta ação é desconhecido. Outra representante do Ministério de Assuntos Internos da Lituânia, Lina Laurinaite-Grigene, acredita que o país pode mandar os migrantes de volta – e esta decisão é permitida pelo direito internacional.

Organizações internacionais, entretanto, não concordam com esse ponto de vista. Egle Samukhovayte, porta-voz da Cruz Vermelha, teme que “a segurança dos migrantes possa estar em risco”. Ela defende suas palavras com estatísticas oficiais, segundo as quais um quarto dos migrantes são crianças menores, ou seja, uma categoria particularmente vulnerável de refugiados. Por conseguinte, o envio de migrantes para casa é contrário à Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados e à Carta dos Direitos Humanos Fundamentais da UE.

O Sputnik estudou os dois documentos: em particular, as ações da Lituânia podem ser questionadas por causa do Artigo 33 da Convenção sobre o Estatuto dos Refugiados, que proíbe a expulsão ou o retorno forçado de migrantes.

Quanto à Carta dos Direitos Humanos Fundamentais da UE, o preâmbulo do documento já proclama a dignidade humana e a liberdade como os principais valores da União Europeia. A pessoa humana é considerada o centro de actividade da União Europeia, de acordo com a Carta, pelo que os países da UE devem tentar criar um “espaço de liberdade, segurança e justiça”.

“Isto é uma prisão ou um campo?”

Mesmo o controlador parlamentar dos direitos humanos da Lituânia, Vytautas Valentinavičius, não vê espaço de liberdade e segurança na fronteira. Em 6 de agosto, Valentinavičius postou em sua página do Facebook um relatório sobre o monitoramento noturno na fronteira entre a Bielorrússia e a Lituânia – e chamou-a de “uma das noites mais difíceis da minha vida”.

O ativista de direitos humanos descreveu como os imigrantes ilegais voltam para a Bielo-Rússia. Segundo ele, os migrantes pediram para os deixar entrar e caminharam em direcção à Lituânia, mesmo apesar dos cães, com a ajuda dos quais os guardas da fronteira expulsaram os refugiados. Valentinavičius comparou migrantes a reféns.

É indicativo de que mesmo a imprensa ocidental em seu relatório da fronteira, acusando Lukashenka da situação atual, não pode deixar de notar “uma postura dura em relação aos migrantes que chegam”. Este é o texto que o New York Times escolhe e cita um dos migrantes, o iraquiano Birhat, de 28 anos, que mora em uma tenda do exército e faz aos jornalistas a seguinte pergunta: “Isto é uma prisão ou um campo?” Muitos migrantes estão “preocupados com seu futuro”, observa o New York Times.

France 24 também fala sobre as difíceis condições em que os refugiados são forçados a viver. A publicação cita um trecho de uma entrevista com um migrante do Iraque, Amir Taher Mohammed. “Como podemos dormir em barracas molhadas, como podemos comer apenas uma vez por dia? Aqui somos tratados como animais!” – Mohammed disse a repórteres.

E a mídia chega à conclusão: não importa quem é o culpado pela crise migratória, a Lituânia não pode tratar as pessoas comuns como criminosos.

Sputnik Belarus

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s