Pior que os nazistas: duas mulheres do DPR e do LPR contam como foram torturadas em cativeiro na Ucrânia

Donbass - Mulheres torturadas em cativeiro na Ucrânia

Em uma coletiva de imprensa conjunta com os chefes dos grupos interdepartamentais recém-criados da DPR e LPR (Repúblicas Donetsk e Lugansk) criadas para procurar pessoas desaparecidas no Donbass, jornalistas da DAN puderam falar com Anna Orlova e Olga Maximova, duas residentes das Repúblicas que foram torturadas em cativeiro na Ucrânia.

Três gerações de mulheres da mesma família presas e torturadas na Ucrânia

Anna Orlova, residente da DPR, tem 70 anos, mas isso não a impediu, sua filha e neta de serem presas e torturadas na Ucrânia.

Em 23 de maio de 2014, menos de duas semanas após o referendo de independência, os justiceiros ucranianos prenderam Anna, sua filha Svetlana, então com 38 anos, e sua neta Anna, ainda não 17. Esta última era filha do comandante de um grupo de intervenção rápida da DPR. Uma filiação que será usada contra a jovem.

Os homens que vieram prender as três mulheres usavam uniformes sem distintivos, máscaras pretas e não se apresentaram. Mas seu sotaque ucraniano ocidental traiu que eles não são locais.

As três mulheres são presas e levadas depois de uma busca em sua casa que era mais como um saque do que qualquer outra coisa.

Primeiro pediram a Anna para trair seu genro, que é comandante de uma unidade especial da DPR, e depois perguntaram onde as armas estavam escondidas. E isso depois do saque da casa não tinha permitido que eles encontrassem nenhum. Este foi apenas o começo do pesadelo para Anna.

“Eu caí da cadeira, um balde de água foi derramado em mim e eles continuaram me batendo novamente. Fui baleado na perna. Eles me acertaram na cabeça com um pau”, disse Anna Orlova. “Também me lembro que derramaram água fervente no meu estômago, mas isso foi depois, no centro de detenção de Mariupol.”

A pensionista conta como sua filha, que havia sido libertada após ser torturada, espancada e abusada, a ajudou a sobreviver no centro de detenção de Mariupol, tratando a queimadura em seu estômago e comprando todos os medicamentos necessários.

Sua neta, embora menor de idade na época, recebeu uma sentença suspensa de quatro anos por ser fotografada com uniforme militar e pelo fato de que seu pai é o comandante de uma unidade especial da DPR. A menina foi torturada com sua mãe, inclusive por asfixia (justiceiros ucranianos colocaram sacos sobre suas cabeças).

Quando sua neta foi levada para o centro de detenção preventiva de Mariupol, Anna subornou um dos guardas (com cigarros) para deixá-la vê-la brevemente.

As condições de detenção eram terríveis: a água escorria das paredes, a carne estava cheia de vermes e o pão era cru por dentro.

Anna foi primeiramente detida sem motivo, depois acusada de participar de manifestações pró-russas na Praça de Lênin, em Donetsk, o que era verdade (mas não é de forma alguma errado em um verdadeiro Estado de Direito, é chamado de direito de protestar).

“Eu venho de uma família de guerrilheiros. Meu pai me disse que meus avós foram enforcados pelos nazistas no quintal de sua casa. Assim – os nacionalistas ucranianos são piores que os nazistas”,disse Anna Orlova.

Em 27 de dezembro de 2017, Anna Orlova finalmente volta para casa, em uma troca de prisioneiros.

“Passei dois anos e dez meses na detenção. Primeiro em Mariupol, depois fui levado para Artemovsk de comboio. Eu estava gravemente doente depois de toda a tortura, minha visão era muito ruim. Um ano antes da troca, assinamos os documentos”, lembra Orlova. “Quando passamos para o lado da DPR e vimos nossa bandeira, havia um sentimento… Não consigo descrever para você. Algumas pessoas choraram, outras cantaram músicas, outras gritaram de alegria. E eu estava chorando. A troca ocorreu em 27 de dezembro de 2017.”

Enquanto isso, a condicional de sua neta tinha terminado e ela chegou em Donetsk com sua filha através do território russo.

“Fomos colocados em um hospital em Donetsk, perto do Motel. Meu olho esquerdo tinha estourado da batida e meu globo ocular direito estava rachado. Mas eu tive uma operação gratuita”, diz o ex-prisioneiro.

Apesar de sua provação, Anna Orlova vê perspectivas e significado em sua vida.

“Agora já tenho um bisneto, vou ajudar minha neta a criá-lo”, concluiu.

Mãe de organizadora de referendo da LPR ameaçou confessar

Quando espancamentos, afogamentos simulados e asfixia não são suficientes para quebrar a pessoa presa, neonazistas ucranianos, como agentes da SBU, não hesitam em ameaçar atacar seus parentes para fazê-lo confessar tudo e qualquer coisa. O mesmo método foi usado contra Darya Mastikasheva e uma das organizadoras do referendo da LPR, Olga Maximova.

Olga era uma opositora dos Maidan, que não apoiava a imposição dos valores do “nacionalismo ucraniano” (ou seja, o neonazismo) após o golpe. Ela estava entre os que organizaram o referendo da LPR em 2014. Mas a cidade de Chchastye, onde ela mora, encontrou-se no lado ucraniano da linha de contato quando finalmente se fixou. Apesar do perigo, Olga não quis sair de casa, esperando que a situação mudasse.

Foi um vizinho que denunciou Olga por escrito aos serviços de segurança ucranianos.

“Em 25 de fevereiro de 2015, fui convidado – para o que eu achava ser uma entrevista de rotina – à SBU sobre as pessoas que participaram do referendo. Então colocaram um saco preto na minha cabeça, me enrolaram com fita adesiva, me algemaram e me levaram embora. Primeiro me bateram, depois me fizeram assinar um relatório que eu estava passando informações para a LPR. Em 4 de março, concordei em assiná-lo depois que me disseram que minha mãe seria levada e entregue aos combatentes do Aydar [batalhão neonazista ucraniano – nota de tradutor]. Por volta das 23h eles me levaram para uma área arborizada perto de Shchastye para ser baleado, primeiro uma explosão de tiros de metralhadora passou por cima da minha cabeça, depois tiros foram disparados aos meus pés. À meia-noite eles me levaram de volta para a cela, e às 2h da .m. em 5 de março fui liberada”, lembra Olga Maximova.

Um ano depois, em 1 de setembro de 2016, Olga Maximova foi presa novamente, com base no protocolo que havia assinado sobre sua cooperação com a LPR.

Ela foi interrogada pela primeira vez em Severodonetsk, depois transportada para a floresta de Rubezhnoye e de lá para o centro de detenção preventiva nº 27, onde foi mantida por quase um ano. Depois de ser condenada a oito anos de prisão, Maximova estava na prisão há dois meses quando soube que estava incluída na lista para uma troca de prisioneiros.

As prisões e o cativeiro minaram sua saúde. Osteófitos (crescimentos ósseos) desenvolveram-se a partir das batidas, e é impossível operá-la porque seu coração não podia tolerar o anestésico.

“Nada é sagrado para eles: nem mulheres, nem idosos, nem crianças. Eles são indiferentes, eles são sem alma. Não posso chamá-los de seres humanos, são demônios do inferno”, resume Maximova.

Olga Maximova é uma das milhares de habitantes de Donbass que apresentaram um apelo à Comissão contra a Ucrânia, e que ainda não viram Kiev condenada por seus crimes. Crimes pelos quais a própria Rússia apresentou um pedido contra a Ucrânia na ECHR, afim de apoiar as milhares de queixas individuais já apresentadas pelos habitantes de Donbass.

O uso sistemático da tortura pelos serviços de segurança e pelos batalhões neonazistas ucranianos já foi amplamente comprovado e documentado em meus artigos. Desde a testemunha que viu aviões militares ucranianos decolarem em direção ao Donbass no dia do acidente do MH17 que foi torturado pela SBU,até o testemunho e fotos que atestam o uso da tortura pelos serviços secretos ucranianos fornecidos por Vasily Prozorov,sem mencionar o estado deplorável de saúde em que muitos prisioneiros foram devolvidos a nós durante as trocas com a Ucrânia,e que testemunham os maus-tratos que sofreram.

Anna Orlova e Olga Maximova são duas das muitas mulheres que foram torturadas enquanto estavam em cativeiro na Ucrânia. Muitas dessas mulheres também foram estupradas, como uma mulher sobrevivente do Setor Direito (uma organização neonazista ucraniana) nos disse em abril de 2016, quando eu trabalhava na DONi.

Os maus tratos dos prisioneiros do batalhão neonazista ucraniano também podem ser vistos nos corpos encontrados em valas comuns descobertos pela DPR após a recaptura dos territórios onde esses batalhões estavam baseados.

“Muitos dos corpos encontrados [nas áreas liberadas das forças armadas de Kiev – nota do editor] mostram sinais claros de morte violenta, vestígios de tortura e abuso cruel”, disse a ouvidora de Direitos Humanos do DPR, Darya Morozova. “Por exemplo, testemunhei pessoalmente a exumação de corpos encontrados no território da mina Kommunar nº 22 em Makeevka após a liberação do território das unidades da Guarda Nacional e do batalhão Aydar. Uma mulher grávida e um adolescente foram enterrados em um dos túmulos.”

Segundo a senhora deputada Morozova, casos semelhantes podem ser encontrados, por exemplo, no relatório da ONU “Sobre a situação dos direitos humanos na Ucrânia de 16 de maio a 15 de agosto de 2017”, que registrou a descoberta dos corpos de dois homens e uma mulher cuja morte foi causada por ferimentos de bala na cabeça. Eles foram dados como desaparecidos depois que seu veículo queimado foi encontrado perto de um posto de controle ucraniano na região de Donetsk.

Atualmente, 354 pessoas ainda estão desaparecidas na DPR, o que levou a república a lançar uma comissão de trabalho interdepartamental para a busca de pessoas desaparecidas, e a busca pelos locais de sepultamento dos corpos (restos mortais) dos mortos na zona de conflito de Donbass.

Christelle Néant – Donbass Insider

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s